-->

Po.e.ta

Pu.bli.ci.tá.ri.o

He.te.rô.ni.mo

Ar.tis.ta

Cri.a.dor

sábado, 2 de novembro de 2019

Poesia Pra Perder Pontos com Você
Tá tudo ok
porra
nenhuma.


"nossa, que agressividade,
perdeu pontos comigo"

Aproveita então, e rasga essa sua cartela
onde anota os pontos sociais;
nunca houve afeto entre nós.

Ou nem isso, aproveita e faz rascunho
prá anotar todos os pontos podres
que você escolheu depositar forças
para defender com muito mais força
do que o esforço que o levou a escolher.


Morra na praia
com sua teimosia,

lambuze-se com gosto de petróleo puro
desse inferno ódio que vazou daí de dentro,
onde sempre esteve represado.
Usa em natura assim mesmo,
como combustível
para queimar os filmes censurados
desse Brasil sem filtro,
recheado de canalhas entupido
com reservas e mais reservas
de moral e bons costumes.


Saiba mais --->

Usa toda essa viscosidade de raiva oleosa
nas crianças da favela que ainda estão morrendo
a base de pobreza e bala,
nos LGBTs que morrem todos os dias.

Beba no cálice da censura,

o sangue dos inocentes úteis.
Adicione suco de laranja para disfarçar
o leve toque do vil metal dessa hemorragia cultural.

O Brasil que você vê crescer nos números financeiros,
faz aumentar a cruel miséria que você deseja disfarçar
para debaixo do tapete da sua hipocrisia.
O jornal econômico que glorifica sua vitória,
no final do dia vai servir de cobertor
para mais desgraçados sociais.


Me poupe de vender essa

falácia de eu ser o primo Rico,

empreendedor nato das famílias dos nossos miseráveis,
de ser o trabalhador que carrega, sozinho e desalentado,
o fast food do app para alimentar a fome insaciável
da mão de obra com diploma dos jardins,
e garantir a cada esquina que a vida continue a rodar
nas rodas da bicicleta alugada do banco.

Tá sacando que eu já perdi

todos os pontos que tinha com você?
  
Os mais de 500 anos da nossa história de Brasil em brasa,
agora é mais saqueado na retirada dos 500 reais do FGTS
que o governo implorou para retirarem,
pois os juros do FGTS aumentaram,
e temos que acreditar que precisamos economizar
feito loucos prá nação prosperar…

E também fazer ganhar as lojas de departamento,
que precisam girar essa economia toda prá salvar
os lucros números na ceia de natal e ano novo;
viva o emprego temporário,
dá pra sobreviver por mais um ano.

Danosa hipocrisia
que assumo enquanto escrevo.

Pois essa poesia tem efeito destrutivo.
É pra me machucar enquanto bato.
É prá bater enquanto apanho.
É pra rasgar enquanto me abro em purificação.
É pra expurgar o vazio
feito um escarro sem pudor,
cuspido no chão de mármore desse inferno todo.

É pra arrancar o ranço,
não o escrito na camiseta,
mas o que adentrou nossas entranhas,
ficou estampado nas vísceras
e agora provoca a ânsia ansiedade de clamar pela luz,
mesmo ainda enquanto estamos atravessando o túnel do poço.


Essa poesia é esfoliação, nua e crua,

pra pele ficar em carne viva.

Poesia pra me expor,
Já cansei de me fuder nas entrelinhas 
que disfarçam minha real revolta.
É verso em grito, pra ser como
a Poesia "Sou Puta, Sou Mulher",
poeta Helena Ferreira, e que foi
recitado pela deputada @isapennapsol
na tribuna da ALESP prá dizer em viscerais versos femininos:

- daqui até alí, vão todo mundo toma no c*.



Vão se fuder com uma viva vulva feminista,
Esse poema eu arranquei do útero que nem tenho,
prá dizer que mulheres ainda apanham
de machos alfa na porra desse país,
repleto do esgoto de escrotos homens héteros brancos.

O patriarcado ainda reina no anúncio comercial
bonitinho da marca que agora aposta
ganhar lucros a perder de vista
ao levantar bandeiras que até ontem nem acreditava.



Eu vou perder ao
ter dito esse poema.

vou ganhar pontos na cara;
quebrar os 32 dentes que uso para ranger
durante as noites que passo
reprimindo tudo que estou sentindo.


A porra desse poema
tá grande demais,

e foda-se se você já se cansou,
eu tô cansado de tanto ter que aguentar calado,
de suportar a minha ignorância,
de aguentar minha impotência
diante do abuso abismo do absurdo que nos cerca,
feito lobos do fascismo e ditadura,
uma alcateia alimentada por desejos insanos
de gente que flerta com o terror
que nos espreitam na esquina da história perversa
dessa nação sem noção,
que soterrou nos porões as crueldades
de um passado sombrio ainda presente.



Eis mais um dos poemas que criei
e não sei como lidar com ele.

Conta aí quantas estrofes ele tem,
multiplique pelos vezes que fomos omissos.
Quem não se posiciona, está fadado a dançar
a dança dos loucos sem perceber
os fios que o conduzem.


E aí,
estamos quites?

Ou estou com saldo negativo com você?
Se assim for, vou dar calote na cara dura:

Não te devo nada,
Não sou eu que estou
em estado de negação.

Mas…

ainda que você

perca todos os pontos comigo,
ainda tenho amor.


E amor não precisa de pontos.
Aliás, precisa que você abandone os pontos,
largue mão das armas, do orgulho,
do ego, do seu vazio.



E aí, pronto para ganhar tudo,
ou prefere continuar perdendo?

______________________
Loja Provisoriamente Eterno

Camiseta Babylook premium "avesso"Camiseta babyloook "Ela é Negra"Camiseta Unissex Premium "felicidade"  

Confira mais produtos em nossa loja Provisoriamente Eterno EU QUERO!

Sou #poeta, brinco com #palavras e invento #palavrários como #redator de #poesiapublicitaria e Soul #Heterônimo criativo e #artista | Twitter e Instagram: @manaydeo - >📬 manaydeo@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário

Confira mais

Fale com Manay Deô

De onde Eu Sou?

São Paulo - SP

Manda um Zap pra Negócios

+55 11 94044-4194

Meu e-mail

manaydeo@gmail.com

Manay Deô Também faz parte dessas iniciativas:

Grupo Dose PublicitáriaPoesia PublicitariaBula PoeticaProjeto Provisoriamente Eterno - Poéticamente AudioVisualPalavrario ManayElidio Santos - Publicitário